Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Fevereiro, 2010

Mais (do que) Experiências de Papel

O C. é mestre em construção de aviões de papel. Sabe construir dois tipos de aviões: um com foguetes e outro sem foguetes. Com a experiência anterior lembrou-se que poderia dedicar-se ao ensino da sua técnica e ofereceu-se para ensinar os colegas a construir aviões.
E assim foi. Umas crianças trabalhavam nas áreas da sala, outras trabalhavam no projecto de História de Portugal comigo e outras com o C. na construção de aviões de papel.
O C. deparou-se com dficuldades com as quais todos os educadores se deparam na sua formação/carreira, por exemplo: encontrar estratégias de ensino adequadas que permitam a aprendizagem, que dêem tempo para realizar a tarefa e em que o educador não se sobreponha à criança. Mas a facilidade de interacção entre as crianças é impressionante e gera aprendizagens únicas que o educador apenas consegue proporcionar se promover este tipo de oportunidades de aprendizagem entre as crianças.
Mas as "ideias" não ficaram por aqui pois o C. pensou proporcionar …

Experiências de Papel

A visita ao Palácio de Queluz trouxe a vontade de fazer leques de papel iguais aos que tinham sido lá oferecidos. A técnica aprimorou-se, surgiram outros modelos e as princesas da sala disputavam o leque mais colorido!

Por seu lado, alguns princípes da sala empenharam-se na construção de velozes aviões que de tanto voar até chegaram a ficar presos no tecto da sala, sendo necessário uma maior imposição da controladora de tráfego aéreo (habitualmente conhecida como educadora).

As caravelas e as naus trouxeram à conversa os barcos de papel e a vontade de aprender a fazê-los e experimentar as técnicas de navegação necessárias para que o barco não se afunde. Aliás, se uns navegadores pensavam que os barcos se iam afundar, outros eram de opinião que os barcos iriam rasgar-se ou desmanchar-se. Por sua vez, os mais incrédulos achavam que não ia acontecer nada.
Depois de cada um ter construído o seu barco, seguiu-se a experimentação. Qual Cabo das Tormentas, alguns barcos passaram algumas dificud…

Os (Net) Descobrimentos

Na minha visita diária ao Jardins Saudáveis acabei por entrar no Peixinhos no Sótão. No primeiro post deparei-me com...

Suscitou a minha atenção porque hoje, durante a comunicação do grupo que está a pesquisar sobre as Caravelas, surgiu a conversa sobre os barcos de papel e a necessidade de comprovar o que acontece quando estes estão na água. Por isso, registo a sugestão com as devidas alterações que se impõem.
Um pouco mais abaixo, deixo-me encantar com...E quando segui o link até a Ann Wood...
Encontrei estes e outros trabalhos interessantes que me fazem ter vontade de pegar nos materiais e construir uma nau ou uma caravela daquelas "com velas grandes que levaram os portugueses até à India, ao Brasil e à China" (C.).
E isto foi o que encontrei sem estar sequer à procura... fará se estivesse!!!

Querem ver que ele é que tem razão?!

"Estou farto de tentar seguir os meus sonhos.
Acho que lhes vou perguntar para onde eles vão e talvez vá lá ter mais tarde..."

Mitch Hedberg

Ninguém leva a mal... mas parece mal

Estar há 10 minutos a ver um filme quando alguém diz:

"as legendas estão em inglês!"


Pois, eu bem que estava a ouvir e a ler mas... não encontrava nada fora do normal!!

semana complicadinha

Desta vez não fui eu que compliquei, foi mesmo complicadinha! E com tanta complicação já nem sei de onde é esta imagem...

é da profissão?

fazer perguntas? ouvir perguntas? responder a perguntas... com outras perguntas? ? ? ?

mais ciências no jardim de infância

O pai de uma criança do JI foi à nossa sala realizar várias experiências.
As crianças tiveram oportunidade de: 1) "ver aranhas, casca de cebola e asas de mosquito no microscópio"; 2) "ver a água mudar de cor" (substâncias básicas e ácidas); 3) "fazer a experiência do vulcão".

Eu tive a oportunidade de: 1) estudar conteúdos de química de modo a não dar grandes calinadas; 2) discutir com alguém da área a importância das ciências desde o jardim de infância; 3) espreitar pela primeira vez por um microscópio!; 4) divertir-me e divertir os outros com a minha exclamação de espanto e entusiasmo; 5) constatar que as aulas de química do Secundário deviam ter sido no laboratório (aquele que estava sempre fechado!). Assim tive de ir para o Jardim de Infância para ter estas experiências fantásticas!
Fazendo as contas... não sei bem quem teve as oportunidades de aprendizagem mais significativas!

O Fim dos pés de chumbo

Porque é que não havia disto quando eu era criança?!

E se de repente alguém lhe oferecer...

"Uma medalha. Um prémio de Professora da Escola." Isso chama-se... um dos melhores reconhecimentos que alguma vez tive! E se alguma vez tivesse duvidado das escolhas que tenho feito profissionalmente, todas elas teriam desaparecido hoje quando o T. me ofereceu esta medalha. E agora quem se atreve a dizer que pelo nosso trabalho só recebemos medalhas de cortiça?!

preguiça bloguista dá origem a menos posts

Está comprovado que quanto mais assunto tenho para escrever menos o faço!
Por isso, deixo apenas umas notas (de rodapé!!):

- O I Encontro da @rcaComum foi uma experiência fantástica!
- É bom reflectir e trabalhar com o grupo de pessoas do movimento +APEI.
- Estou a aprender tanto com este grupo de crianças!
- Quem é que me empurra de vez para um doutoramento que eu goste?!! Não há meio de me decidir e isto já me está a deixar irritada comigo mesma!!!