Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2010

2011

"Os meses e os dias são viajantes da eternidade. Assim como o ano que passa e o ano que vem. Para aqueles que se deixam flutuar a bordo dos barcos ou envelhecem conduzindo cavalos, todos os dias são viagem e a sua casa é o espaço sem fim." (Matsuo Bashô)

Desejos de um 2011 cheio de Cor

Uma Consoada Colorida

A Consoada do JI teve direito a tudo, nem o perú faltou! Agora chega a Consoada Verdadeira (sim D. é só amanhã) e cada um de nós está com a sua (outra) família (sim porque nós no JI também somos um "bocadinho" família).
Uma Consoada Feliz para todos os (ainda) leitores do Jardim das Cores.

Entre devaneios e desabafos, factos são factos

O Jardim das Cores anda meio ao abandono e o Natal está à porta e não vejo meios de conseguir escrever nem o decorar com cores natalícias.

Este ano as solicitações têm sido variadas e os interesses dividem-se entre Educação e Artes. Projectos e mais projectos com crianças, e não só, andam no sapatinho há já algum tempo. O tempo desenrola-se mas não se multiplica. As escolhas são uma constante e delineiam os caminhos que percorremos diariamente. O mundo é um pequeno apartamento onde nos cruzamos e não sabemos se é por acaso. Nada é por acaso ou fruto do acaso. Ou pelo menos queremos crer que assim o é.

Mas entre devaneios e desabafos, factos são factos: o Jardim das Cores anda murchinho. E a culpa é aqui da Jardineira de serviço que não o rega, aduba e acarinha. Esperemos que o Pai Natal traga uma gestão de maior qualidade e que o próximo ano seja mais equilibrado no que respeita à crise (da escrita, claro!). E não, não estou já a "despachar" até ao próximo ano 2011. Espero…

Época Natalícia

Já chegou a azáfama. Quer queiramos quer não atinge-nos como se de uma avalanche se tratasse.

São os ensaios para a Festa de Natal com as Famílias, mais a lembrança para as crianças oferecerem, e a árvore de Natal Reciclada que não queremos deixar de fazer... ah! e a carta ao Pai Natal pois mesmo sabendo que nem sempre se "portam bem" pedem-lhe com um "se faz favor" o brinquedo desejado e agradecem antecipadamente: "obrigado".

É assim que andamos, nesta gestão desenfreada do tempo, dos desejos, do apelo ao não consumismo e ao enfatizar dos sentimentos do afecto.

O consumismo natalício é presenciado e referido nas conversas das crianças... mas porque é que é Natal?! O que é o Natal?! Pergunta muito difícil, mesmo! Temos que os ajudar a encontrar outras respostas que não incluam apenas e exclusivamente Prendas e pedidos ao Pai Natal... temos, mesmo!