Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

As estrelas da vizinhança

Na vida da aldeia, todos os vizinhos são nossos parceiros e há sempre espaço e tempo para trocar dois dedos de conversa, esperar que passem desenfreadamente à nossa frente ou que lentamente se passeiem ao nosso lado. Há tempo para os admirar, para lhes fazer uma festa ou simplesmente ficar a olhá-los indiscretamente.

Na vida da aldeia, as vacas e as cabras desfilam na estrada, a lagartixa passeia nas minhas escadas e as pessoas dizem "Bom dia" com um sorriso e um aceno de braço ou uma buzinadela.

Na vida da aldeia, o compasso é dado pelo sino da igreja e quando a burra da minha vizinha volta para o palheiro ao fim do dia, o morcego inicia o seu percurso habitual cumprimentando-me. A noite chega e brinda-nos com o seu silêncio e os mochos vizinhos com o seu piar.

Na vida da aldeia, admiram-se todos os vizinhos e companheiros e fica-se a olhar indiscretamente para os que estão lá no alto: as estrelas.

Na minha aldeia, as pessoas, os animais, a terra são excelentes vizinhos ma…
Mensagens recentes

Revitalizar...

com a sombra, o som, o aroma, a frescura... de um pequeno passeio perto de casa.



Também se descobrem ramos para se lhes dar uma nova "vida".


E ao testar-se o equilíbrio,  é-se "apanhado" pela tecnologia que ainda nos acompanha.


Fomos às Amoras

Nos campos cultivados reluzem as abóboras.
Nas minhas escadas nascem deliciosas melancias.
Pequenas mãos ofertam-me peras sumarentas.
Os caminhos brindam-me com amoras silvestres.

Caminhámos e comemos amoras ainda quentes pelo sol da manhã.
À tarde há experiências na cozinha: doce de amora!

Grata por esta aldeia e por esta floresta que me acolhe.
Namastê.

E a Escola?!

Boom... Boom!!!
Bye... Bye!!! À minha participação neste "modelo" de ensino que oprime a criatividade, a personalidade e a integridade das crianças, jovens, pais e professores que, diariamente e durante anos, lutam por uma Educação de Qualidade.
Ora, esta parece ser uma grande decisão, mas, na verdade, é apenas uma de tantas outras escolhas que tenho vindo a fazer neste caminho que se chama vida.
Para ser direta e franca (para comigo mais do que para os outros): fartei-me!  Fartei-me do ciclo: trabalhar - pagar as contas - trabalhar.  Cansei-me de andar pelas ruas a respirar poluição e a desviar-me de carros, de pessoas com problemas "umbilicais", de lixo e de cócó de cão.  Exasperei-me com o "corte" na criatividade, na livre expressão, no Teatro, na Educação... Desesperei por não haver mudanças!
Então, percebi que as mudanças que eu tentava fazer, não eram suficientes.  Decidi quebrar o circulo, respirar melhor e lutar por aquilo que me faz sentir bem. …

Inspirações

(Castro Laboreiro)
"Os problemas do mundo são cada vez mais complexos, no entanto as soluções permanecem embaraçosamente simples." (Bill Mollison)


Sentir(es)

"Sem lentidão não há paladar. (...) Os nossos estilos de vida parecem irremediavelmente contaminados por uma pressão que não dominamos; não há tempo a perder; queremos alcançar as metas o mais rapidamente que formos capazes; os processos desgastam-nos, as perguntas atrasam-nos, os sentimentos são um puro desperdício: dizem-nos que temos de valorizar resultados, apenas resultados. À conta disso, os ritmos de actividade tornam-se impiedosamente antinaturais." 
 José Tolentino Mendonça in "A mística do instante"