Avançar para o conteúdo principal

A Arte de André Letria e de Kandinsky

As crianças entrecruzam conhecimentos e vivências de diferentes contextos, construindo a sua visão do mundo. São sensíveis à Arte, de uma forma muito peculiar, são sinceras e criativas na sua forma de se expressar.

Nestes últimos dias temos estado a preparar uma recepção ao ilustrador André Letria que vem ao nosso jardim de infância amanhã dia 5 de Maio e, simultâneamente, estamos a iniciar um projecto sobre o pintor Kandinsky. As crianças conhecem o livro "O Capuchinho Cinzento" ilustrado pelo André Letria e também conhecem alguns quadros de Kandinsky que estão num livro da biblioteca da nossa sala.

Desta forma, ao reflectirem sobre como seria o André Letria, uma criança referiu: "O André Letria gosta de pintar como o Kandinsky". As outras crianças concordaram mas... "o Kandinsky pinta quadros e o André Letria pinta livros", acrescentou uma outra.

Não sei se existe alguma ligação entre a forma de pintar de ambos, deixo isso para os especialistas na matéria. Todavia é interessante constatar que crianças entre os 3 e os 6 anos de idade são sensíveis às ilustrações dos livros, à pintura, à Arte... e que a ilustração dos livros para crianças têm uma qualidade e uma aceitação cada vez maior, não sendo apenas subsidiária do texto.

Comentários

Rita disse…
Sugestão de outro blog:
http://lengalengas.blogspot.com/
Rute disse…
olá rita!

Que bom ter-te por cá. Obrigada pela sugestão, vem mesmo a calhar. O blog está interessante só é pena não estar actualizado.
Anónimo disse…
Greets to the webmaster of this wonderful site! Keep up the good work. Thanks.
»
Anónimo disse…
I really enjoyed looking at your site, I found it very helpful indeed, keep up the good work.
»

Mensagens populares deste blogue

As estrelas da vizinhança

Na vida da aldeia, todos os vizinhos são nossos parceiros e há sempre espaço e tempo para trocar dois dedos de conversa, esperar que passem desenfreadamente à nossa frente ou que lentamente se passeiem ao nosso lado. Há tempo para os admirar, para lhes fazer uma festa ou simplesmente ficar a olhá-los indiscretamente.

Na vida da aldeia, as vacas e as cabras desfilam na estrada, a lagartixa passeia nas minhas escadas e as pessoas dizem "Bom dia" com um sorriso e um aceno de braço ou uma buzinadela.

Na vida da aldeia, o compasso é dado pelo sino da igreja e quando a burra da minha vizinha volta para o palheiro ao fim do dia, o morcego inicia o seu percurso habitual cumprimentando-me. A noite chega e brinda-nos com o seu silêncio e os mochos vizinhos com o seu piar.

Na vida da aldeia, admiram-se todos os vizinhos e companheiros e fica-se a olhar indiscretamente para os que estão lá no alto: as estrelas.

Na minha aldeia, as pessoas, os animais, a terra são excelentes vizinhos ma…

Mãos à Obra!!!

Quando o pai da I. esteve a explicar-nos "como se fazem casas" (post anterior) ofereceu-nos um presente! Vejam só...
Os tijolos, as telhas... tudo em miniatura mas em tijolo! O "cimento", a pá de pedreiro... É o máximo, não acham? Agora só faltava pôr "MÃOS À OBRA"! Foi o que fizémos! Depois de misturar o pó com a água ficámos com cimento e começámos a construir a nossa Quinta. Sim, é uma Quinta e tem um poço e até animais.Tijolo a tijolo a nossa Quinta vai crescendo! É preciso muito trabalho de equipa porque isto da Construção Civil é trabalho pesado!E quando quisermos "mudar de casa" basta pôr esta dentro de água e ficamos com tijolos para construir outra vez! Quando a nossa Quinta estiver pronta estão convidados para uma "visita", fica combinado!

Fomos às Amoras

Nos campos cultivados reluzem as abóboras.
Nas minhas escadas nascem deliciosas melancias.
Pequenas mãos ofertam-me peras sumarentas.
Os caminhos brindam-me com amoras silvestres.

Caminhámos e comemos amoras ainda quentes pelo sol da manhã.
À tarde há experiências na cozinha: doce de amora!

Grata por esta aldeia e por esta floresta que me acolhe.
Namastê.