sexta-feira, janeiro 19, 2007

Ecos


Já era de manhã. Abri a janela e a Serra falou comigo.
A água do riacho brincava por entre as pedras.
Os pássaros cantavam nos pinheiros.
As ovelhas caminhavam no vale fazendo ecoar os guizos que traziam consigo.
Ao longe o galo cantava tardiamente.
O cão, de uma casa distante, ladrava.

A aragem fresca da manhã, o branco que oculta os limites da Serra e a faz entrar pelo céu, o verde que me circunda, fascina e ao mesmo tempo aprisiona...

4 comentários:

keimadela disse...

quem me dera...:P bjs

Maria disse...

ai que o ar da serra está a fazer-te mal... já ouves coisas e tal! :)

de todas as desvantagens de viver em lamego, essa é mais vantajosa. soubeste escolher muito bem a tua casinha.

beijos

Desambientado disse...

Que bom perceber que a ruralidade é um estado de espírito e não um processo de subdesenvolvimento.
Cada vez mais a serra, as ovelas e cães precisam de ser ouvidos.

Rute disse...

Keimadela:
Que bom receber a tua visita.Bjs

Maria:
E cada vez que me lembro das casas que andámos a ver... LOL!!! Esta é realmente um espectáculo... beijo

Desambientado:
Sempre vivi na cidade e sempre disse que um dia havia de ir viver para o campo. Ora cá estou eu! Acho que tens razão, é mesmo um estado de espírito.