Avançar para o conteúdo principal

Do isolamento do deserto...

Desert de Nguyen Dinh Dang (ver mais)


Quando morava na casa branca no meio da serra sentia-me isolada, a ver o mundo duma janela, mas ao mesmo tempo a contemplar a novidade.

Sendo este o segundo ano que vivo por estes lados, decidi descer a serra e mudar-me para a cidade numa tentativa de olhar a mesma realidade de uma outra perspectiva (agora que já não existem novidades).

Não me parece que a estratégia esteja a funcionar... continuo a sentir-me isolada, talvez até um pouco perdida num deserto em que a diversidade cultural começa cada vez mais a tornar-se uma miragem de tão dificil que é o acesso a cinemas, teatro, exposições...

Dou agora mais valor à vida cultural que levava em Lisboa e ao simples facto de não aceder a ela simplesmente quando e porque não tinha vontade.

Comentários

Pitanga disse…
Querida Rute, também sentia-me assim quando vivia em Viseu. Porque não se muda a política de que Portugal Cultural se resume ao eixo Lisboa- Porto?

beijos
Carla disse…
Como a compreendo. A avidez de cultura corrói quem dela precisa para alegrar os seus dias e dar sentido à existência...

Mensagens populares deste blogue

Mãos à Obra!!!

Quando o pai da I. esteve a explicar-nos "como se fazem casas" (post anterior) ofereceu-nos um presente! Vejam só...
Os tijolos, as telhas... tudo em miniatura mas em tijolo! O "cimento", a pá de pedreiro... É o máximo, não acham? Agora só faltava pôr "MÃOS À OBRA"! Foi o que fizémos! Depois de misturar o pó com a água ficámos com cimento e começámos a construir a nossa Quinta. Sim, é uma Quinta e tem um poço e até animais.Tijolo a tijolo a nossa Quinta vai crescendo! É preciso muito trabalho de equipa porque isto da Construção Civil é trabalho pesado!E quando quisermos "mudar de casa" basta pôr esta dentro de água e ficamos com tijolos para construir outra vez! Quando a nossa Quinta estiver pronta estão convidados para uma "visita", fica combinado!

O prazer de cuidar, ver crescer, cozinhar e partilhar

Na nossa horta nós aprendemos a prever, a planear, a observar, a regar e a cuidar, a medir, a contar, a pesquisar, a partilhar, a cooperar... 



(A semear alfaces e couves com um avô.)

(Sensibilização para proteger a horta.)

(Colheita de feijão verde e outros legumes para a nossa sopa.)

 (Cabaz da nossa horta para oferecer ao nossos amigos e parceiros educativos da Junta de Freguesia)

(As batatinhas assadas que estavam uma delícia!)
E na horta há sempre muito para fazer e aprender. E é tão bom!!! (Tão bom que até nos esquecemos de fotografar.)

Coisas de Crescidos...

Temporariamente em modo de "crescida" e afastada do jardim... mas não por muito tempo! Até já.