Avançar para o conteúdo principal

(des)apontamento educativo


Num tempo marcado por acontecimentos sociais e políticos e considerado, por uns e por outros, de crise internacional, pode parecer uma mesquinhice mas... não consigo mais calar o meu desapontamento com a educação.

Olho para os onze anos que passaram e quando vejo onde ainda estamos não consigo ficar alheia ao desapontamento que sinto. Talvez esteja numa outra fase da minha construção de identidade profissional, talvez esteja realmente a ver a realidade docente e educativa do nosso país. Quer olhando para a Educação Pré-escolar quer olhando para o Ensino Superior (formação de Educação de Infância em particular), sinto desapontamento... principalmente com a maioria dos profissionais que lá trabalham. Talvez esteja a ser injusta. Talvez o meu desapontamento não seja com a Educação em si mas com as pessoas da educação. E talvez mesmo assim continue a ser injusta (sei que ainda há bons e dedicados profissionais, resta saber durante quando tempo conseguirão resistir).

Professores agredidos e professores agressores, professores descontentes, professores que facilitam tudo aos alunos (inclusivamente notas) e a si próprios, alunos que agridem professores, alunos que "querem" boas notas a todo o custo (mesmo que seja a dizer "senão mato-me")... Alguns pensarão que agora é que "acordei" para a educação, que sempre foi assim, que não se consegue mudar o mundo... não deixarão de ter razão mas a diferença está entre saber que existe e viver esta (des)educação há já algum tempo e de diferentes perspectivas.

Não consigo estar nem ver a Educação apenas como meio de sobrevivência e para pagar as contas. Eu quero continuar a acreditar na Educação mas está cada vez mais difícil.

E desculpem o desabafo mas os blogues também servem para estas coisas... (des)abafar!

Comentários

Su disse…
Coragem colega! Lembre-se dos olhitos dos nossos meninos, dos sorrisos e abraços ternurentos! A mim conforta-me um pouco. A colega está cheia de razão pois o amor que temos para com a nossa profissão não nos dá nenhuma estabilidade-
Cerejinha disse…
Rute, como eu te compreendo...como esse desabafo toca fundo na alma de todos os que têm pensado a educação como um crescendo, como uma planta ou uma árvore que há-de ir ficando mais forte e dará os seus frutos.
Na realidade não é isso que se está a passar. Aquilo porque temos de lutar já tinhamos conquistado há muitos anos atrás. E onde está?
Lembro-me de ter construido uma casa de banho para os meninos de um jardim de infância numa aldeia, não muito longe de onde andaste no ano passado. Foi construida com os pais dos meninos. Ao fim de semana. Com os materiais que trouxeram de casa. Os pais e as mães e a gente da aldeia. Comiamos o farnel que as avós nos iam levar à hora da "janta". E naquele tempo eu fui feliz. Nunca tive tanta autonomia como naquela altura. Hoje em dia sabemos a saga que é arranjarem-nos uma torneira que se lembre de pingar num jardim de infância qualquer...
Tinhamos certezas. A certeza de estar a construir um mundo que só podia ser melhor. E hoje temos o desencanto de ter de lutar pelas mesmas coisas que construimos na altura, ou por outras mais básicas ainda.
Como é o caso de termos de conquistar a atenção dos adultos para as crianças. Mas uma atenção efectiva e afectiva, que não seja construida de chantagens ou não venha inquinada de sentimentos de culpa.
Vinha consolar-te e acabei por desabafar também. É só para perceberes que não estás só.
deep disse…
Percebo tão bem esse desânimo...

Contudo, para não se perder de todo a esperança, há que valorizar as pequenas conquistas e aceitar que não está nas nossas mãos mudar o mundo... tudo isso menos ser conivente!

Coragem!

Boa semana. :)
Rute disse…
SU: Acredite que ainda são esses olhitos que me fazem estar na Educação! Obrigada pelas suas palavras.

CEREJINHA: estamos em tempo de mudança não é? mas podia ser para melhor!! Obrigada pelo consolo e pelo desabafo.

DEEP: tem razão, ser conivente está fora de questão e perder a esperança também mas há momentos bem marcados por desânimo e desapontamento... Obrigada pelas palavras de ânimo. ;)

Boa semana para todas!!
Joana disse…
A mudança é sempre boa, mesmo que não pareça! Eu sou uma crente na educação. A educação é que vai mudar o futuro! Mas não é fácil... Mas as coisas melhores são as mais difíceis. Bjs

Mensagens populares deste blogue

Mãos à Obra!!!

Quando o pai da I. esteve a explicar-nos "como se fazem casas" (post anterior) ofereceu-nos um presente! Vejam só...
Os tijolos, as telhas... tudo em miniatura mas em tijolo! O "cimento", a pá de pedreiro... É o máximo, não acham? Agora só faltava pôr "MÃOS À OBRA"! Foi o que fizémos! Depois de misturar o pó com a água ficámos com cimento e começámos a construir a nossa Quinta. Sim, é uma Quinta e tem um poço e até animais.Tijolo a tijolo a nossa Quinta vai crescendo! É preciso muito trabalho de equipa porque isto da Construção Civil é trabalho pesado!E quando quisermos "mudar de casa" basta pôr esta dentro de água e ficamos com tijolos para construir outra vez! Quando a nossa Quinta estiver pronta estão convidados para uma "visita", fica combinado!

O prazer de cuidar, ver crescer, cozinhar e partilhar

Na nossa horta nós aprendemos a prever, a planear, a observar, a regar e a cuidar, a medir, a contar, a pesquisar, a partilhar, a cooperar... 



(A semear alfaces e couves com um avô.)

(Sensibilização para proteger a horta.)

(Colheita de feijão verde e outros legumes para a nossa sopa.)

 (Cabaz da nossa horta para oferecer ao nossos amigos e parceiros educativos da Junta de Freguesia)

(As batatinhas assadas que estavam uma delícia!)
E na horta há sempre muito para fazer e aprender. E é tão bom!!! (Tão bom que até nos esquecemos de fotografar.)

Yoga e Teatro

Os Girassóis semanalmente fazem prática de Yoga Integral. Atravessamos a estrada do nosso JI e lá estamos nós, numa sala gentilmente cedida por um nosso amigo, a mergulhar no Planeta Mágico dos Animais do Yoga. 


O Yoga também faz parte do nosso quotidiano no jardim de infância, revela-se na forma como nos relacionamos com os outros e com a natureza. E agora também na nossa relação com as Artes. Após uma ida ao teatro, resolvemos fazer a nossa própria peça de teatro, criámos diálogos, escolhemos espaços, adereços e músicas. 

Criámos e recriámos as posturas que conhecemos do yoga, interpretámos pequenas sequências de movimentos de forma adequada e adequada a cada personagem e à temática. 

Estivemos a explorar o conceito de yoga-teatro. 

Convidámos os colegas das outras salas e apresentámos o nosso espetáculo. 

Brevemente iremos apresentá-lo numa sala de teatro, perto de nós. Mais um passo nesta experiência que nos leva a ter mais interesse pelo yoga, pelo teatro e a utilizar progressiv…