Avançar para o conteúdo principal

Ontem...

Foi o dia da primeira observação de aula. Invariavelmente lembrei-me dos tempos em que fui Orientadora de Prática Pedagógica (PP)...
... dos desabafos das alunas sobre as planificações e o tempo que demoravam a definir objectivos
... dos nervos quando lhes dizia que as ia observar essa semana
... no livro que caiu das mãos de uma delas quando me viu passar do lado de fora da janela
... da procura de um olhar aprovativo ou de uma expressão reveladora no meu rosto


Lembrei-me também de quanto foram desconfortáveis as primeiras observações que fiz como Orientadora de PP: o nervoso miudinho de estar num espaço que não é o nosso, de ter que observar e avaliar práticas.


Curiosamente ontem não estava nervosa e não deixei cair o livro que tinha na mão quando a minha avaliadora entrou e eu estava a ler uma história às crianças. Foi um misto de sensações e memórias de estagiária, orientadora de PP e educadora de infância num processo de avaliação de desempenho. O novelo inconsciente foi de tal ordem que quando estava a falar da observação, referi-me à minha colega como orientadora!!! lol


Avaliar e ser avaliado não é tarefa fácil nem simplista. É uma tarefa necessária para a promoção da qualidade em educação de infância, independentemente de concordarmos ou não com o modelo actual de avaliação. Se a avaliação for assente num espírito de partilha e aprendizagem, então gera o envolvimento e a reflexão necessários para a Qualidade. E Qualidade todos nós queremos para a nossa prática! Certo?!

Comentários

Joana disse…
E verdade! Quem trabalha em certos ambientes é avaliado todos os dias. A avaliação é uma coisa normal. Mas de facto não é facil nem simplista... eu sempre detestei ser avaliada, e tenho a mesma dificuldade em avaliar...e tambem uma aprendizagem.

Mensagens populares deste blogue

Mãos à Obra!!!

Quando o pai da I. esteve a explicar-nos "como se fazem casas" (post anterior) ofereceu-nos um presente! Vejam só...
Os tijolos, as telhas... tudo em miniatura mas em tijolo! O "cimento", a pá de pedreiro... É o máximo, não acham? Agora só faltava pôr "MÃOS À OBRA"! Foi o que fizémos! Depois de misturar o pó com a água ficámos com cimento e começámos a construir a nossa Quinta. Sim, é uma Quinta e tem um poço e até animais.Tijolo a tijolo a nossa Quinta vai crescendo! É preciso muito trabalho de equipa porque isto da Construção Civil é trabalho pesado!E quando quisermos "mudar de casa" basta pôr esta dentro de água e ficamos com tijolos para construir outra vez! Quando a nossa Quinta estiver pronta estão convidados para uma "visita", fica combinado!

Dêem voz às crianças

Um artigo muito interessante, de leitura breve e bem actual.

The Disturbing Transformation of Kindergarten

Coisas de Crescidos...

Temporariamente em modo de "crescida" e afastada do jardim... mas não por muito tempo! Até já.