Avançar para o conteúdo principal

Ontem...

Foi o dia da primeira observação de aula. Invariavelmente lembrei-me dos tempos em que fui Orientadora de Prática Pedagógica (PP)...
... dos desabafos das alunas sobre as planificações e o tempo que demoravam a definir objectivos
... dos nervos quando lhes dizia que as ia observar essa semana
... no livro que caiu das mãos de uma delas quando me viu passar do lado de fora da janela
... da procura de um olhar aprovativo ou de uma expressão reveladora no meu rosto


Lembrei-me também de quanto foram desconfortáveis as primeiras observações que fiz como Orientadora de PP: o nervoso miudinho de estar num espaço que não é o nosso, de ter que observar e avaliar práticas.


Curiosamente ontem não estava nervosa e não deixei cair o livro que tinha na mão quando a minha avaliadora entrou e eu estava a ler uma história às crianças. Foi um misto de sensações e memórias de estagiária, orientadora de PP e educadora de infância num processo de avaliação de desempenho. O novelo inconsciente foi de tal ordem que quando estava a falar da observação, referi-me à minha colega como orientadora!!! lol


Avaliar e ser avaliado não é tarefa fácil nem simplista. É uma tarefa necessária para a promoção da qualidade em educação de infância, independentemente de concordarmos ou não com o modelo actual de avaliação. Se a avaliação for assente num espírito de partilha e aprendizagem, então gera o envolvimento e a reflexão necessários para a Qualidade. E Qualidade todos nós queremos para a nossa prática! Certo?!

Comentários

Joana disse…
E verdade! Quem trabalha em certos ambientes é avaliado todos os dias. A avaliação é uma coisa normal. Mas de facto não é facil nem simplista... eu sempre detestei ser avaliada, e tenho a mesma dificuldade em avaliar...e tambem uma aprendizagem.

Mensagens populares deste blogue

Greve por Tempo Indeterminado

Quando em 2006 iniciei este Jardim das Cores estava a trabalhar no Jardim de Infância de uma IPSS. Muita coisa se havia passado, mas digamos que estava "desmotivada" com uma série de acontecimentos, estava a ficar doente e deu-me a casmurrice de fazer um Blogue (numa altura em que os Blogues de Educação de Infância eram praticamente inexistentes).
(2006 - na Horta do JI)
Sempre tive a mania de fazer o que gosto e a imensa dificuldade de estar num sítio onde não me sinto bem. No entanto, nem sempre é fácil "dar a volta" e mudar de rumo. O blogue deu-me um novo alento: descrever a minha prática de trabalho e partilhá-la (de forma absolutamente anónima!).
Ora, o Jardim das Cores "abriu-me" o caminho para o que eu tanto desejava: a Mudança! E lá fui eu, a caminho de Viseu!!! Durante dois anos estive a dar aulas na Escola Superior de Educação de Viseu e a viver numa Casa Branca no meio da Serra. Na altura, decidi continuar com o Blogue e relatar a experiência.…

As estrelas da vizinhança

Na vida da aldeia, todos os vizinhos são nossos parceiros e há sempre espaço e tempo para trocar dois dedos de conversa, esperar que passem desenfreadamente à nossa frente ou que lentamente se passeiem ao nosso lado. Há tempo para os admirar, para lhes fazer uma festa ou simplesmente ficar a olhá-los indiscretamente.

Na vida da aldeia, as vacas e as cabras desfilam na estrada, a lagartixa passeia nas minhas escadas e as pessoas dizem "Bom dia" com um sorriso e um aceno de braço ou uma buzinadela.

Na vida da aldeia, o compasso é dado pelo sino da igreja e quando a burra da minha vizinha volta para o palheiro ao fim do dia, o morcego inicia o seu percurso habitual cumprimentando-me. A noite chega e brinda-nos com o seu silêncio e os mochos vizinhos com o seu piar.

Na vida da aldeia, admiram-se todos os vizinhos e companheiros e fica-se a olhar indiscretamente para os que estão lá no alto: as estrelas.

Na minha aldeia, as pessoas, os animais, a terra são excelentes vizinhos ma…

Mãos à Obra!!!

Quando o pai da I. esteve a explicar-nos "como se fazem casas" (post anterior) ofereceu-nos um presente! Vejam só...
Os tijolos, as telhas... tudo em miniatura mas em tijolo! O "cimento", a pá de pedreiro... É o máximo, não acham? Agora só faltava pôr "MÃOS À OBRA"! Foi o que fizémos! Depois de misturar o pó com a água ficámos com cimento e começámos a construir a nossa Quinta. Sim, é uma Quinta e tem um poço e até animais.Tijolo a tijolo a nossa Quinta vai crescendo! É preciso muito trabalho de equipa porque isto da Construção Civil é trabalho pesado!E quando quisermos "mudar de casa" basta pôr esta dentro de água e ficamos com tijolos para construir outra vez! Quando a nossa Quinta estiver pronta estão convidados para uma "visita", fica combinado!