Avançar para o conteúdo principal

Os dias no jardim de infância

Tantos dias, tantos,
tantos dias no jardim de infância.
Já nos conhecemos,
já sabemos o que podemos cá fazer
Tivemos curiosidade,
tivemos vontade de saber.
Aprendemos algumas coisas,
aprendemos que ainda há muito para aprender.

(não é para rimar, não é poesia, são apenas palavras que saíram arrumadas desta forma)




nota para mim própria: colocar a máquina no bolso para registar o que se passa!! (ai Arminda a falta que me fazem os teus lembretes!!)

Comentários

Anónimo disse…
mesmo sem lembretes o registo está optimo (já descobriram tantas coisas!) que saudades de ver de perto o teu desempenho. Arminda
rute moura disse…
ARMINDA: Ouviste-me chamar por ti, foi?! lol
Tenho saudades dos nossos debates e desabafos e foi tão bom ler as tuas palavras! beijinhos
Carla disse…
E não é bom estar sempre a aprender? Que significado teria a vida sem aprendizagem?
Belo post.
Bjs
rute moura disse…
CARLA: É muito bom estar sempre a aprender e esse é precisamente um dos aspectos da vida que gostaria que as crianças aprendessem. beijinhos

Mensagens populares deste blogue

As estrelas da vizinhança

Na vida da aldeia, todos os vizinhos são nossos parceiros e há sempre espaço e tempo para trocar dois dedos de conversa, esperar que passem desenfreadamente à nossa frente ou que lentamente se passeiem ao nosso lado. Há tempo para os admirar, para lhes fazer uma festa ou simplesmente ficar a olhá-los indiscretamente.

Na vida da aldeia, as vacas e as cabras desfilam na estrada, a lagartixa passeia nas minhas escadas e as pessoas dizem "Bom dia" com um sorriso e um aceno de braço ou uma buzinadela.

Na vida da aldeia, o compasso é dado pelo sino da igreja e quando a burra da minha vizinha volta para o palheiro ao fim do dia, o morcego inicia o seu percurso habitual cumprimentando-me. A noite chega e brinda-nos com o seu silêncio e os mochos vizinhos com o seu piar.

Na vida da aldeia, admiram-se todos os vizinhos e companheiros e fica-se a olhar indiscretamente para os que estão lá no alto: as estrelas.

Na minha aldeia, as pessoas, os animais, a terra são excelentes vizinhos ma…

Mãos à Obra!!!

Quando o pai da I. esteve a explicar-nos "como se fazem casas" (post anterior) ofereceu-nos um presente! Vejam só...
Os tijolos, as telhas... tudo em miniatura mas em tijolo! O "cimento", a pá de pedreiro... É o máximo, não acham? Agora só faltava pôr "MÃOS À OBRA"! Foi o que fizémos! Depois de misturar o pó com a água ficámos com cimento e começámos a construir a nossa Quinta. Sim, é uma Quinta e tem um poço e até animais.Tijolo a tijolo a nossa Quinta vai crescendo! É preciso muito trabalho de equipa porque isto da Construção Civil é trabalho pesado!E quando quisermos "mudar de casa" basta pôr esta dentro de água e ficamos com tijolos para construir outra vez! Quando a nossa Quinta estiver pronta estão convidados para uma "visita", fica combinado!

Fomos às Amoras

Nos campos cultivados reluzem as abóboras.
Nas minhas escadas nascem deliciosas melancias.
Pequenas mãos ofertam-me peras sumarentas.
Os caminhos brindam-me com amoras silvestres.

Caminhámos e comemos amoras ainda quentes pelo sol da manhã.
À tarde há experiências na cozinha: doce de amora!

Grata por esta aldeia e por esta floresta que me acolhe.
Namastê.