Avançar para o conteúdo principal

Back to work

Terminada a pausa lectiva (com direito a avaliações, planificações, elaboração de poster para congresso e afins) o caminho para o JI volta a ser feito diariamente.


As conversas de hoje foram prolongadas no tempo e tão ricas em experiências, conceitos, ideias, temas... que quase sufoquei de ângústia. E à medida que as conversas surgiam e seguiam o seu curso, também eu "conversava":

- A maioria das crianças tem tantos saberes de experiência feita e "conhecimentos gerais" que podem abafar outras que não o têm e eu não agir correctamente;

- Como é que vou continuar a corresponder a este volume de interesses e a esta disparidade entre as crianças?;

- Os grupos de crianças variam tanto de contexto para contexto...

- As minhas alunas crescidas sentiam-se tão perdidas quando eu lhes dizia para ouvirem as crianças que elas nos indicavam o caminho... e eu não sei bem para onde me virar agora... preciso mesmo de falar em voz alta sobre estas minhas preocupações... não tenho a A. ao meu lado mas tenho a R... tenho de falar com ela durante a hora de almoço;

- Que caminho seguir agora? O que é apenas debate e o que merece uma atenção mais focalizada?;

- Quais as prioridades que defini anteriormente? Quais as que se mantém pertinentes?
- Etc, etc, etc...


Acabámos por definir, em conjunto, o que nos interessa saber e fazer nos próximos dias. A meu cargo está agora perceber as especidades de cada um deles e definir estratégias e objectivos de modo a que todos consigam ir mais além...

E agora... vou ali comprar um andaime* e volto já!!!


* Alusão ao conceito de "scaffolding" usado em pedagogia (mais)

Comentários

Juca disse…
Olá Rute,

Tens toda a razão, por vezes também me sinto e vejo o mundo assim dessa maneira... e torna-se mais complicado quando não se tem alguém com a mesma perspectiva das coisas para desabafar, trocar impressões, enfim...partilhar, não é?

Já agora, obrigada pelo artigo... ainda vai dar jeito um dia destes.
Tenho a certeza que vais chegar a conclusões, com ou sem andaime.

Voltarei...

Bjs, Juca

Mensagens populares deste blogue

Mãos à Obra!!!

Quando o pai da I. esteve a explicar-nos "como se fazem casas" (post anterior) ofereceu-nos um presente! Vejam só...
Os tijolos, as telhas... tudo em miniatura mas em tijolo! O "cimento", a pá de pedreiro... É o máximo, não acham? Agora só faltava pôr "MÃOS À OBRA"! Foi o que fizémos! Depois de misturar o pó com a água ficámos com cimento e começámos a construir a nossa Quinta. Sim, é uma Quinta e tem um poço e até animais.Tijolo a tijolo a nossa Quinta vai crescendo! É preciso muito trabalho de equipa porque isto da Construção Civil é trabalho pesado!E quando quisermos "mudar de casa" basta pôr esta dentro de água e ficamos com tijolos para construir outra vez! Quando a nossa Quinta estiver pronta estão convidados para uma "visita", fica combinado!

O prazer de cuidar, ver crescer, cozinhar e partilhar

Na nossa horta nós aprendemos a prever, a planear, a observar, a regar e a cuidar, a medir, a contar, a pesquisar, a partilhar, a cooperar... 



(A semear alfaces e couves com um avô.)

(Sensibilização para proteger a horta.)

(Colheita de feijão verde e outros legumes para a nossa sopa.)

 (Cabaz da nossa horta para oferecer ao nossos amigos e parceiros educativos da Junta de Freguesia)

(As batatinhas assadas que estavam uma delícia!)
E na horta há sempre muito para fazer e aprender. E é tão bom!!! (Tão bom que até nos esquecemos de fotografar.)

Yoga e Teatro

Os Girassóis semanalmente fazem prática de Yoga Integral. Atravessamos a estrada do nosso JI e lá estamos nós, numa sala gentilmente cedida por um nosso amigo, a mergulhar no Planeta Mágico dos Animais do Yoga. 


O Yoga também faz parte do nosso quotidiano no jardim de infância, revela-se na forma como nos relacionamos com os outros e com a natureza. E agora também na nossa relação com as Artes. Após uma ida ao teatro, resolvemos fazer a nossa própria peça de teatro, criámos diálogos, escolhemos espaços, adereços e músicas. 

Criámos e recriámos as posturas que conhecemos do yoga, interpretámos pequenas sequências de movimentos de forma adequada e adequada a cada personagem e à temática. 

Estivemos a explorar o conceito de yoga-teatro. 

Convidámos os colegas das outras salas e apresentámos o nosso espetáculo. 

Brevemente iremos apresentá-lo numa sala de teatro, perto de nós. Mais um passo nesta experiência que nos leva a ter mais interesse pelo yoga, pelo teatro e a utilizar progressiv…