Avançar para o conteúdo principal

Petra no Maravilh'Arte 21



Petra (9 a.C. - 40 d.C.) Petra, Jordânia



Aretas IV (9 a.C. a 40 d.C.). Peritos no domínio da hidráulica, os nabateus dotaram a cidade de um enorme sistema de túneis e de câmaras de água. Um teatro, construído à imagem dos modelos greco-romanos, dispunha de capacidade para 4000 espectadores. Actualmente, os túmulos reais de Petra, para além da fachada de templo helénico, com 42 metros de altura, do mosteiro de El-Deir, constituem exemplos impressionantes da cultura do Oriente Médio. (Este texto foi retirado daqui)

Aqui ficam algumas impressões blogosféricas acerca desta candidata a uma das 7 Novas Maravilhas do Mundo.

No ESCRITA em Dia, Carlos Narciso conta que:

É difícil dizer o que senti quando vi aquela cidade esculpida na pedra pelos homens, vento e água. Como se pode fazer uma coisa tão espantosa como aquela?
Dizem os canhenhos que chegaram a viver ali 50 mil pessoas. A cidade existe desde o século V a.C., mas há ali perto vestígios de ocupação humana da Idade da Pedra. Hoje é um deserto, mas lindo de morrer.
Dizem os mesmos canhenhos que a desertificação humana ficou a dever-se ao desvio das caravanas de comerciantes que passaram a optar por outra rota e deixaram de passar por ali. A mim parece-me que terá havido outro motivo, que estará ligado com mudanças climáticas ou, pelo menos, com o desaparecimento de água. Petra foi um sítio com muita água, basta olhar para aquelas pedras… e, hoje, não tem uma gota.



N'As Boas, A.M. relata:


Da cidade de Petra gosto especialmente da ideia de ela ter sido esculpida dentro de um rochedo. Imagino a trabalheira e acredito que muitas devem ter sido as vidas humanas perdidas na construção deste monumento. É para mim um dos maiores monumentos da humanidade, principalmente se imaginarmos a tecnologia existente nessa altura.


E no Saí para dar uma volta, Fred Mourão descreve:

Ontem, enquanto caminhava por Petra, acabei convidado para um chá por uma jovem beduína que junto com a mãe vendia artesanato. Ela falava inglês fluente, aprendido em contato com os turistas, e se virava perfeitamente bem em várias outras línguas. Falamos sobre os hábitos do seu povo, sobre sua cultura, sobre como e quando se casam, filhos e fiquei sabendo que os homens podem ter até quatro esposas, sendo que todas tem que receber a mesma atenção e ter a mesma qualidade de vida, ou seja, o homem para ter mais de uma mulher tem que sustentar todas da mesma maneira.

Este post é publicado no âmbito do concurso de desenho Maravilh'Arte 21.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Mãos à Obra!!!

Quando o pai da I. esteve a explicar-nos "como se fazem casas" (post anterior) ofereceu-nos um presente! Vejam só...
Os tijolos, as telhas... tudo em miniatura mas em tijolo! O "cimento", a pá de pedreiro... É o máximo, não acham? Agora só faltava pôr "MÃOS À OBRA"! Foi o que fizémos! Depois de misturar o pó com a água ficámos com cimento e começámos a construir a nossa Quinta. Sim, é uma Quinta e tem um poço e até animais.Tijolo a tijolo a nossa Quinta vai crescendo! É preciso muito trabalho de equipa porque isto da Construção Civil é trabalho pesado!E quando quisermos "mudar de casa" basta pôr esta dentro de água e ficamos com tijolos para construir outra vez! Quando a nossa Quinta estiver pronta estão convidados para uma "visita", fica combinado!

O prazer de cuidar, ver crescer, cozinhar e partilhar

Na nossa horta nós aprendemos a prever, a planear, a observar, a regar e a cuidar, a medir, a contar, a pesquisar, a partilhar, a cooperar... 



(A semear alfaces e couves com um avô.)

(Sensibilização para proteger a horta.)

(Colheita de feijão verde e outros legumes para a nossa sopa.)

 (Cabaz da nossa horta para oferecer ao nossos amigos e parceiros educativos da Junta de Freguesia)

(As batatinhas assadas que estavam uma delícia!)
E na horta há sempre muito para fazer e aprender. E é tão bom!!! (Tão bom que até nos esquecemos de fotografar.)

Yoga e Teatro

Os Girassóis semanalmente fazem prática de Yoga Integral. Atravessamos a estrada do nosso JI e lá estamos nós, numa sala gentilmente cedida por um nosso amigo, a mergulhar no Planeta Mágico dos Animais do Yoga. 


O Yoga também faz parte do nosso quotidiano no jardim de infância, revela-se na forma como nos relacionamos com os outros e com a natureza. E agora também na nossa relação com as Artes. Após uma ida ao teatro, resolvemos fazer a nossa própria peça de teatro, criámos diálogos, escolhemos espaços, adereços e músicas. 

Criámos e recriámos as posturas que conhecemos do yoga, interpretámos pequenas sequências de movimentos de forma adequada e adequada a cada personagem e à temática. 

Estivemos a explorar o conceito de yoga-teatro. 

Convidámos os colegas das outras salas e apresentámos o nosso espetáculo. 

Brevemente iremos apresentá-lo numa sala de teatro, perto de nós. Mais um passo nesta experiência que nos leva a ter mais interesse pelo yoga, pelo teatro e a utilizar progressiv…