Avançar para o conteúdo principal

A Comunicação no CIEC

E a assistir encontravam-se várias alunas minhas: senti-me quase em "casa". Foi bom encontrar-vos num Congresso Internacional!

Algumas fotos estão no Cores Extras e no Frente e (re)Verso pode ler mais sobre o Congresso.

Comentários

Glicéria Gil disse…
Não tive o privilégio de assistir ao vivo à comunicação... mas felizmente aqui e agora posso apreciá-la e complementá-la com a leitura do paper. Aqui está uma das potencialidades dos blogues! Obrigada pela partilha e espero que até breve.
Rute disse…
GLICÉRIA, quanto a mim (e até agora) só tenho encontrado vantagens nos blogues. Posso mesmo dizer que este Jardim das Cores mudou a minha vida (e não é metaforicamente!!!!).
Fátima André disse…
Rute,
parabéns pelo tema. Investir na leitura desde a mais tenra idade parece-me ser o caminho... mas como nós sabemos, o nível sócio-económico e cultural de muitas famílias não permite "esbanjar" dinheiro em livros ou outros meios de acesso à cultura, quando nem sequer têm as necessidades mais básicas satisfeitas.
Parece-me que a escola é que devia de contrariar esta tendência de combater essas desigualdades... mas infelizmente não está a conseguir. Talvez o pré-escolar consiga mobilizar algumas energias nesse sentido.
Este é um tema do meu interesse em termos profissionais, mas também em termos investigativos.
Rute disse…
Olá, FÁTIMA.

Sem dúvida que a pré-escolar tem uma importância vital em todo este processo. Não só como mediador entre as crianças e os diferentes tipos de narrativas, mas também no incentivo e sensibilização às famílias e comunidade. Utilizar os recursos existentes (JI,famílias e comunidade) é imprescindível, no que se refere à literacia e promoção do gosto pela leitura, em contextos menos ou mais favorecidos.
Sala das Fontes disse…
Pois é.... eu aqui nos Açores e não pude ir (mas foi gente daqui da minha Universidade aí apresentar comunicações!)
Estou como a Glicéria... ainda bem que existem os blogs para poder-se partilhar estas informações (também já vi a comunicação da Glicéria e as fotos da Maria)

Jinhos

Cidália
Olá Rute, foi um prazer conhecer-te pessoalmente. Não pude assistir à tua comunicação, como aliás já te tinha dito.
Apesar disso, vi com muita atenção o slideshare e traduz com clareza os objectivos e processos da tua investigação.
Aproveito para te informar que vou criar um fórum na janeladomeujardim sobre boas práticas investigativas. Neste sentido seria oportuno dares a conhecer a tua apresentação em Braga.
Espero que aceites.
Bom fim-de-semana
Rute disse…
CIDÁLIA, sei que estiveram cá colegas daí. Assisti a pelo menos uma comunicação. Pode ser que para a próxima nos encontremos em qualquer um destes "eventos", aqui no continente ou aí nesa bela ilha!

beijinhos
Rute disse…
ÁDILA, a tecnologia permite continuar a partilha iniciada no congresso... passarei no forum da janeladomeujardim, claro.

beijinhos
Desambientado disse…
Compreendo a sensação. Comigo também acontece. Este fim de semana revi uma colega que já há muitos anos não se víamos e no espaço de dois meses encontramo-nos duas vezes. É tão grafiticante encontrar quem encheu as nossas vidas.

Mensagens populares deste blogue

Greve por Tempo Indeterminado

Quando em 2006 iniciei este Jardim das Cores estava a trabalhar no Jardim de Infância de uma IPSS. Muita coisa se havia passado, mas digamos que estava "desmotivada" com uma série de acontecimentos, estava a ficar doente e deu-me a casmurrice de fazer um Blogue (numa altura em que os Blogues de Educação de Infância eram praticamente inexistentes).
(2006 - na Horta do JI)
Sempre tive a mania de fazer o que gosto e a imensa dificuldade de estar num sítio onde não me sinto bem. No entanto, nem sempre é fácil "dar a volta" e mudar de rumo. O blogue deu-me um novo alento: descrever a minha prática de trabalho e partilhá-la (de forma absolutamente anónima!).
Ora, o Jardim das Cores "abriu-me" o caminho para o que eu tanto desejava: a Mudança! E lá fui eu, a caminho de Viseu!!! Durante dois anos estive a dar aulas na Escola Superior de Educação de Viseu e a viver numa Casa Branca no meio da Serra. Na altura, decidi continuar com o Blogue e relatar a experiência.…

As estrelas da vizinhança

Na vida da aldeia, todos os vizinhos são nossos parceiros e há sempre espaço e tempo para trocar dois dedos de conversa, esperar que passem desenfreadamente à nossa frente ou que lentamente se passeiem ao nosso lado. Há tempo para os admirar, para lhes fazer uma festa ou simplesmente ficar a olhá-los indiscretamente.

Na vida da aldeia, as vacas e as cabras desfilam na estrada, a lagartixa passeia nas minhas escadas e as pessoas dizem "Bom dia" com um sorriso e um aceno de braço ou uma buzinadela.

Na vida da aldeia, o compasso é dado pelo sino da igreja e quando a burra da minha vizinha volta para o palheiro ao fim do dia, o morcego inicia o seu percurso habitual cumprimentando-me. A noite chega e brinda-nos com o seu silêncio e os mochos vizinhos com o seu piar.

Na vida da aldeia, admiram-se todos os vizinhos e companheiros e fica-se a olhar indiscretamente para os que estão lá no alto: as estrelas.

Na minha aldeia, as pessoas, os animais, a terra são excelentes vizinhos ma…

Mãos à Obra!!!

Quando o pai da I. esteve a explicar-nos "como se fazem casas" (post anterior) ofereceu-nos um presente! Vejam só...
Os tijolos, as telhas... tudo em miniatura mas em tijolo! O "cimento", a pá de pedreiro... É o máximo, não acham? Agora só faltava pôr "MÃOS À OBRA"! Foi o que fizémos! Depois de misturar o pó com a água ficámos com cimento e começámos a construir a nossa Quinta. Sim, é uma Quinta e tem um poço e até animais.Tijolo a tijolo a nossa Quinta vai crescendo! É preciso muito trabalho de equipa porque isto da Construção Civil é trabalho pesado!E quando quisermos "mudar de casa" basta pôr esta dentro de água e ficamos com tijolos para construir outra vez! Quando a nossa Quinta estiver pronta estão convidados para uma "visita", fica combinado!