Avançar para o conteúdo principal

F. e eu...


O F. estava no computador. Eu estava numa mesa perto dele a arrumar os portefolios. Na sala estavamos apenas os dois , cada um envolvido na sua tarefa mas não alheios ao que cada um fazia (última semana de aulas tem destas coisas).

Sem desviar o olhar do ecrã pergunta-me: "o que é para fazer aqui?". Manuseava o rato habilmente colocando-o em cima das palavras e das imagens. Acedendo aos signos a que ele ainda não consegue aceder, li "glossário". Pensei em como explicar-lhe, em meia dúzia de palavras, o "que era para fazer".

Olhando para o ecrã e com as mãos ocupadas nas folhas, disse-lhe qualquer coisa como: "aí é para explicar, aos meninos que já sabem ler, o que as palavras querem dizer" (rica explicação, senhora educadora!!).

E os meus olhos voltaram a ocupar-se da mesma tarefa a que as mãos se dedicavam. Mas os ouvidos continuaram ocupados pela tarefa do F. e fizeram mais uma vez com que eu desviasse o olhar e a atenção para a sua tarefa.

Correndo o rato, da esquerda para a direita, pelas palavras marcadas a cores dizia: "blue - azul; yellow - amarelo". Depois levou o rato ao símbolo que conhecia e que permitia aceder a outra parte do jogo. Eu sorri, as minhas mãos e olhos voltaram a ocupar-se da tarefa que estava a fazer mas o pensamento estava ainda com o F. e no que acabara de observar.

Posso não lhe ter proporcionado a devida atenção nem sequer ter fornecido a melhor resposta (e eu estava a "culpar-me" por isso quando o ouvi falar), mas depois percebi que tínhamos partilhado um momento excepcionalmente "caseiro" e cúmplice por estarmos só os dois no JI (habitualmente: 25). Percebi que nem sempre há as respostas certas, que por vezes a melhor atenção não é aquela em que estamos "em cima" das crianças e que é bom darmos espaço para que eles dêem a sua interpretação das coisas e assim ficarmos a conhecê-los melhor. Mas, mesmo assim, continuo a achar que lhe devia ter dado outro tipo de resposta e atenção... nobody is perfect...

Comentários

Joana disse…
Melhor do que isso parilharam um momento de cumplicidade. Muitas vezes me acontece "despachar" a atenção e a resposta. As vezes sinto-me culpada. Outras acho que tambem é uma aprendizagem viver com esses momentos... talvez seja apenas uma desculpa. Não deve ser fácil estar o dia todo com meninos e com atenção... Bjs
Pitanga Doce disse…
Rute não te sintas culpada. Tu mesmo reconheces que lhe deste um momento "caseiro", e as crianças sabem quando não estão sozinhas.
Podes ter a certeza que ficou nele gravada a tua presença, o teu cheiro, o teu carinho.

beijos e boa tarde

Mensagens populares deste blogue

Mãos à Obra!!!

Quando o pai da I. esteve a explicar-nos "como se fazem casas" (post anterior) ofereceu-nos um presente! Vejam só...
Os tijolos, as telhas... tudo em miniatura mas em tijolo! O "cimento", a pá de pedreiro... É o máximo, não acham? Agora só faltava pôr "MÃOS À OBRA"! Foi o que fizémos! Depois de misturar o pó com a água ficámos com cimento e começámos a construir a nossa Quinta. Sim, é uma Quinta e tem um poço e até animais.Tijolo a tijolo a nossa Quinta vai crescendo! É preciso muito trabalho de equipa porque isto da Construção Civil é trabalho pesado!E quando quisermos "mudar de casa" basta pôr esta dentro de água e ficamos com tijolos para construir outra vez! Quando a nossa Quinta estiver pronta estão convidados para uma "visita", fica combinado!

O prazer de cuidar, ver crescer, cozinhar e partilhar

Na nossa horta nós aprendemos a prever, a planear, a observar, a regar e a cuidar, a medir, a contar, a pesquisar, a partilhar, a cooperar... 



(A semear alfaces e couves com um avô.)

(Sensibilização para proteger a horta.)

(Colheita de feijão verde e outros legumes para a nossa sopa.)

 (Cabaz da nossa horta para oferecer ao nossos amigos e parceiros educativos da Junta de Freguesia)

(As batatinhas assadas que estavam uma delícia!)
E na horta há sempre muito para fazer e aprender. E é tão bom!!! (Tão bom que até nos esquecemos de fotografar.)

Yoga e Teatro

Os Girassóis semanalmente fazem prática de Yoga Integral. Atravessamos a estrada do nosso JI e lá estamos nós, numa sala gentilmente cedida por um nosso amigo, a mergulhar no Planeta Mágico dos Animais do Yoga. 


O Yoga também faz parte do nosso quotidiano no jardim de infância, revela-se na forma como nos relacionamos com os outros e com a natureza. E agora também na nossa relação com as Artes. Após uma ida ao teatro, resolvemos fazer a nossa própria peça de teatro, criámos diálogos, escolhemos espaços, adereços e músicas. 

Criámos e recriámos as posturas que conhecemos do yoga, interpretámos pequenas sequências de movimentos de forma adequada e adequada a cada personagem e à temática. 

Estivemos a explorar o conceito de yoga-teatro. 

Convidámos os colegas das outras salas e apresentámos o nosso espetáculo. 

Brevemente iremos apresentá-lo numa sala de teatro, perto de nós. Mais um passo nesta experiência que nos leva a ter mais interesse pelo yoga, pelo teatro e a utilizar progressiv…