Avançar para o conteúdo principal

Coliseu de Roma no Maravilh'Arte 21





Este grandioso anfiteatro foi construído no centro de Roma em honra aos legionários vitoriosos e para celebrar a glória do império romano. O seu design conceitual mantém a actualidade até aos nossos dias, uma vez que, passados cerca de 2000 anos, praticamente todos os modernos estádios desportivos continuam a ter o cunho inconfundível do design original do Coliseu. É através do cinema e dos livros de história que hoje temos noção das lutas cruéis e dos jogos que tinham lugar nesta arena, para júbilo dos espectadores. (Este texto foi retirado daqui).

Aqui ficam algumas impressões blogosféricas acerca desta candidata a uma das 7 Novas Maravilhas do Mundo.


N' A Curva da Estrada, a Papalagui conta que:

Quando me vi perante o Coliseu de Roma e do outro lado o que terá sido a casa do debochado mor do Império Romano, ocorreram-me de imediato esses tempos, os do Nero, do porco debochado, do libertino imoral entregue aos prazeres de Baco sem reservas, e, de novo, ouvi a minha querida avó evocando a idade dos excessos. Acredito que caso a minha querida avó vivesse hoje consideraria o Nero um pobre inocente perante o que lhe seria dado a observar na caixinha mágica mas continuo sem saber quem iria evocar para qualificar os tempos contemporâneos. É que depois do Nero nem eu me lembro de um maluco tão grande.

Nos Momentos de Ausência, a Agnieska relata que:

A arena do Coliseu colapsada deixa ver a rede de labirinto que se estende por baixo deste imponente monumento (é mais pequeno do que eu imaginei, mas ainda assim magnífico). O sítio que viu batalhas de gladiadores, espectáculos de circos de feras a desmembrarem humanos e coisas afins...

E a Essenthia, no The Essence of Things, escreve:

O Coliseu de Roma, a arte elevada ao extremo, numa construção única e imponente. A música ambiente faz-nos recuar no tempo e por pouco não vemos um espectáculo de gladiadores mesmo à nossa frente, que embora violento, não deixa de despertar emoção.


Este post é publicado no âmbito do concurso de desenho Maravilh'Arte 21

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Mãos à Obra!!!

Quando o pai da I. esteve a explicar-nos "como se fazem casas" (post anterior) ofereceu-nos um presente! Vejam só...
Os tijolos, as telhas... tudo em miniatura mas em tijolo! O "cimento", a pá de pedreiro... É o máximo, não acham? Agora só faltava pôr "MÃOS À OBRA"! Foi o que fizémos! Depois de misturar o pó com a água ficámos com cimento e começámos a construir a nossa Quinta. Sim, é uma Quinta e tem um poço e até animais.Tijolo a tijolo a nossa Quinta vai crescendo! É preciso muito trabalho de equipa porque isto da Construção Civil é trabalho pesado!E quando quisermos "mudar de casa" basta pôr esta dentro de água e ficamos com tijolos para construir outra vez! Quando a nossa Quinta estiver pronta estão convidados para uma "visita", fica combinado!

O prazer de cuidar, ver crescer, cozinhar e partilhar

Na nossa horta nós aprendemos a prever, a planear, a observar, a regar e a cuidar, a medir, a contar, a pesquisar, a partilhar, a cooperar... 



(A semear alfaces e couves com um avô.)

(Sensibilização para proteger a horta.)

(Colheita de feijão verde e outros legumes para a nossa sopa.)

 (Cabaz da nossa horta para oferecer ao nossos amigos e parceiros educativos da Junta de Freguesia)

(As batatinhas assadas que estavam uma delícia!)
E na horta há sempre muito para fazer e aprender. E é tão bom!!! (Tão bom que até nos esquecemos de fotografar.)

Yoga e Teatro

Os Girassóis semanalmente fazem prática de Yoga Integral. Atravessamos a estrada do nosso JI e lá estamos nós, numa sala gentilmente cedida por um nosso amigo, a mergulhar no Planeta Mágico dos Animais do Yoga. 


O Yoga também faz parte do nosso quotidiano no jardim de infância, revela-se na forma como nos relacionamos com os outros e com a natureza. E agora também na nossa relação com as Artes. Após uma ida ao teatro, resolvemos fazer a nossa própria peça de teatro, criámos diálogos, escolhemos espaços, adereços e músicas. 

Criámos e recriámos as posturas que conhecemos do yoga, interpretámos pequenas sequências de movimentos de forma adequada e adequada a cada personagem e à temática. 

Estivemos a explorar o conceito de yoga-teatro. 

Convidámos os colegas das outras salas e apresentámos o nosso espetáculo. 

Brevemente iremos apresentá-lo numa sala de teatro, perto de nós. Mais um passo nesta experiência que nos leva a ter mais interesse pelo yoga, pelo teatro e a utilizar progressiv…