Avançar para o conteúdo principal

Pirâmide em Chichén Itzá no Maravilh'Arte 21





A pirâmide em Chichén Itzá (anterior a 800 d.C.), Pení­nsula de Yucatan, México, Chichén Itzá, a mais famosa Cidade Templo Maia, funcionou como centro político e económico da civilização maia. As várias estruturas - a pirâmide de Kukulkan, o Templo de Chac-Mool, a Praça das Mil Colunas, e o Campo de Jogos dos Prisioneiros - podem ainda hoje ser admiradas e são demonstrativas de um extraordiná¡rio compromisso para com a composição e espaço arquitectónico. A pirâmide foi o último e, sem qualquer dúvida, o mais grandioso de todos os templos da civilização maia. (Este texto foi retirado daqui).

Aqui ficam algumas impressões blogosféricas acerca desta candidata a uma das 7 Novas Maravilhas do Mundo.

No Lost in Lisbon, a ŠAЯA conta que:
De todas as maravilhas, só estive em Chichén Itzá e adorei, adorei, adorei, esta pirâmide é fantástica e escusado será dizer que tive de subir até lá cima, apesar do enorme calor que se fazia sentir. Mas é realmente um espectáculo, não só a pirâmide como todo o local.

Nos Pensamentos Imperfeitos, o Jota escreve:
O México, na zona da Riviera Maya, é quente. Quente, e húmido. E em termos de mergulhos, não fosse pelos Cenotes, não valia a pena, pelo menos se comparado com o Mar Vermelho ou Maldivas. Os destaques vão para o magnífico e quente mar, para o mergulho nos cenotes (Dos Ojos), e para Chichen Itza, a impressionante cidade Maia habitada por Quetzalcoatl.
Neste tipo de viagens “de Hotel”, nunca se fica a conhecer muito da verdadeira cultura de um país. Mas o que vimos (e comemos) já deixaram um sabor interessante. A mim, pareceu-me que o México, como país, é uma espécie de Portugal, com um passado Histórico riquíssimo, e um presente a lutar pelo desenvolvimento. Algo que me surpreendeu foi ler que cerca de metade do território (incluindo o Texas e Los Angeles) foi perdido na guerra com os Estados Unidos. Ao menos por aqui foi só Olivença.
Teria sido bom ficar mais uma semana. Não tanto pelo jogo da bola que se realiza amanhã, mas pelo solstício de Verão, altura em que seria especialmente interessante estar em Chichen Itzá.

E no Bloghistórias, o Jorge Aragão aconselha-nos:
Ir ao México apenas para fazer praia, não vale a pena. E nada melhor que adicionar às águas quentes e transparentes do Caribe umas visitas às ruínas das antigas cidades e centros religiosos Mayas.Ir a Chichen Itza é uma experiência inolvidável e ficamos esmagados pela grandiosidade do " Castillo ".

Este post é publicado no âmbito do concurso de desenho Maravilh'Arte 21.

Comentários

Anónimo disse…
Adorava ir ao México um dia destes, para ver de perto estas obras arquitectónicas da civilização Maia. Bj
pitanga disse…
Rute, você como professora deve ter muito o que dizer à pergunta do Pitanga. Só para mulheres, viu?

beijos
Rute disse…
Fátima:

A Civilização Maia sempre despertou a minha curiosidade. O México é um país que gostava de conhecer. Quem sabe?! Talvez um dia...


Pitanga:

:P Sei do que falas!!!


Beijinhos para ambas
deep disse…
Uma óptima iniciativa, sem dúvida.
Já votei.

Bjs e boa semana.

Mensagens populares deste blogue

Mãos à Obra!!!

Quando o pai da I. esteve a explicar-nos "como se fazem casas" (post anterior) ofereceu-nos um presente! Vejam só...
Os tijolos, as telhas... tudo em miniatura mas em tijolo! O "cimento", a pá de pedreiro... É o máximo, não acham? Agora só faltava pôr "MÃOS À OBRA"! Foi o que fizémos! Depois de misturar o pó com a água ficámos com cimento e começámos a construir a nossa Quinta. Sim, é uma Quinta e tem um poço e até animais.Tijolo a tijolo a nossa Quinta vai crescendo! É preciso muito trabalho de equipa porque isto da Construção Civil é trabalho pesado!E quando quisermos "mudar de casa" basta pôr esta dentro de água e ficamos com tijolos para construir outra vez! Quando a nossa Quinta estiver pronta estão convidados para uma "visita", fica combinado!

O prazer de cuidar, ver crescer, cozinhar e partilhar

Na nossa horta nós aprendemos a prever, a planear, a observar, a regar e a cuidar, a medir, a contar, a pesquisar, a partilhar, a cooperar... 



(A semear alfaces e couves com um avô.)

(Sensibilização para proteger a horta.)

(Colheita de feijão verde e outros legumes para a nossa sopa.)

 (Cabaz da nossa horta para oferecer ao nossos amigos e parceiros educativos da Junta de Freguesia)

(As batatinhas assadas que estavam uma delícia!)
E na horta há sempre muito para fazer e aprender. E é tão bom!!! (Tão bom que até nos esquecemos de fotografar.)

Coisas de Crescidos...

Temporariamente em modo de "crescida" e afastada do jardim... mas não por muito tempo! Até já.