Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro, 2006

Ecos digitais escritos a tinta permanente

O cheiro e o toque do papel sempre estiveram presentes na minha vida. Desde a minha infância que os livros me acompanham e que rabisco palavras várias sobre diversos assuntos.

Agora alguns desses rascunhos são digitais, ilustrados por fotos que, outrora em papel, ganham cor neste espaço virtual a que dei o nome de Jardim das Cores.

O toque da caneta vai dando lugar ao toque do teclado. As linhas a tinta permanente são agora mais raras... mas existentes.

Algumas das palavras que apenas faziam eco em mim... agora são partilhadas com quem passeia neste jardim e as escuta. Essas palavras já não são só minhas... mas há umas cujo eco continua no meu interior... essas sim, são só minhas.

Ser Professor "Bloguista"

Descobri aqui 7 motivos para um Professor criar um blog. Se são professores e não têm blog, que tal pensarem em criar um?!

(Rita!!!! Estamos à espera do teu Blog!!!)

Agora... os 7 motivos e a minha breve reflexão sobre eles: É divertido - Escrever, ler, comentar, conhecer novas pessoas... tudo virtualmente mas mais perto do que às vezes se pode imaginar; Aproxima professor e alunos - receber as visitas dos alunos no nosso blog é partilhar com eles alguns dos nossos pensamentos, vivências e sentimentos. Mesmo quando não deixam comentários escritos, às vezes recebem-se comentários pessoalmente ("oh professora, então ficou enclausurada em casa?!); Permite refletir sobre suas colocações - escrever o que pensamos e fazemos leva-nos a descobrir o que colegas, amigos, alunos, desconhecidos e curiosos pensam sobre os nossos posts. Recebemos elogios, críticas e debatem-se ideias. Liga o professor ao mundo - Conhecer o que se faz e o que se escreve um pouco por todo o mundo, é essencial nesta …

S.O.S

Por entre planificações, planos a médio prazo, avaliações diagnósticas, relatórios nos blogs e observações para ler e rectificar....



Entre as aulas na ESE, observar as alunas nos estágios e preparar materiais de prática pedagógica...



Surgem ainda pedidos de "socorro" de alunas, ex-alunas, ex-colegas e educadoras via blog, e-mail, msn, sms e telemóvel!!!



Socooooooooorro!!!!!!E a mim quem me ajuuuuuuda!!!!
Voltando ao trabalho... levo um chá!(uhmmm!)


Para quem não acreditava ...

... que eu ía mostrar algumas fotos de Lamego!
(Sim, é para ti A.)




(A foto da praxe)(gostei particularmente desta)(e em volta tudo é assim! )Por hoje é assim! Preferi aproveitar e caminhar em vez de me armar em turista!

Os Blogs e a aprendizagem cooperativa

As potencialidades educativas dos blogs são múltiplas e variadas, podendo estes constituirem-se como comunidade de partilha de experiências culturais da vida de um profissional de educação, de um grupo de alunos ou de um grupo de professores. Foi neste sentido que lançámos às nossas alunas o desafio de criarem blogs em que relatassem as suas experiências, dúvidas, actividades com as crianças e projectos. As alunas aceitaram o desafio e lá se lançaram à descoberta. Cada blog serve de meio de comunicação com a orientadora de estágio (eu e a maria) e tem, por enquanto, um nível de privacidade elevado. No entanto, a rede de comentadores foi também alargada às restantes alunas e a alguns comentadores externos, profissionais na área da educação de infância. Se mais alguém quiser candidatar-se a "comentador externo" deixe um comentário para que, juntamente com as alunas, possamos decidir. Posso desde já adiantar que, até agora, não foi preciso "ralhar" muito, nem pôr de casti…

Educar não é fácil... mas é possivel

Ensino Pré-escolar Versus Ensino Superior Não são raras as vezes que quando se pensa e fala de Ensino Pré-escolar e Ensino Superior, se vê o primeiro como um ponto de partida e o último como o ponto de chegada da formação de um indivíduo e ambos como formas de ensino completamente distintas e díspares em termos de metodologias e objectivos. Será?! Ou melhor, deveria ser?! Quando pensamos em Educação (e muitas vezes não se pensa) de futuros Educadores de Infância e outros profissionais das Ciências da Educação, as fronteiras ainda se esbatem mais. Vejamos apenas algumas ideias... Como podemos ensinar a respeitar a individualidade de cada criança/aluno se somos os primeiros a não fazê-lo? Como podemos ensinar a escutar se não os escutarmos quando partilham as suas ideias, pensamentos e angústias? Como podemos ensinar a cooperar se não permitirmos a partilha e a prendizagem em grupo? Por isso, educar é Educar!... Seja em que nível de ensino for, seja na Escola, em Casa, na Biblioteca, no Museu …

Trilhos no Jardim

Olhando para o primeiro post deste blog e percorrendo os meses desde Abril até agora, encontro não só o meu percurso profissional mas também as mudanças na minha vida desde esse dia em que, quase inexplicávelmente, bati o pé e firmemente decidi: "Vou fazer um blog!". Um blog em que a educação de infância ganhasse voz através das minhas palavras e das palavras de quem nele comentasse. Longe, longe estava eu de pensar, imaginar ou sonhar o que a minha vida iria mudar por causa deste Jardim das Cores! Caminhando pelos seus trilhos encontrei pessoas e locais que desconhecia e que agora me acompanham não só no blog mas também na «vida real», cujas cores se tornaram mais intensas. Neste Jardim a Educação agora é vivida de uma outra perspectiva, mas com o mesmo sentimento de plenitude e satisfação que sempre senti. Do ensino pré-escolar para o ensino superior foi um passo de ampla dimensão, agravado por um salto de 400km no mapa de Portugal. Talvez por isso, este blog tenha deixado d…

Só podia dar nisto!!!

Passei o fim-de-semana enclausurada na casa branca no meio da serra, tendo como companhia os livros, os papéis, o computador, na tentativa de avançar a tese e de poder dizer “está quase terminada!”. Pois… não tenham ilusões… realmente avancei, enviei trabalho para o orientador… mas isto de ficar enclausurada (como uma princesa no cimo da sua torre… mas sem estar à espera do príncipe pois, segundo dizem, eles já não são o que eram!), decididamente não funciona!!!
O cansaço apodera-se de nós e por mais vontade que se tenha de trabalhar não se tem o mesmo rendimento! (que grande descoberta, realmente!)

Por isso, hoje acordei e resolvi aproveitar o facto de só ir dar aulas à tarde (quem tem vontade de ir dar aulas às 17h da tarde?! Eu não… de certeza) … entrei no meu coche (ou seja, no meu peugeotzito) e desci a serra! Vidros abertos, o sol quentinho, o cantar dos pássaros, o cheiro a pinheiros e a champanhe… (não estou a delirar! Pelo caminho passo pela fábrica da Raposeira!!!).

E finalmen…

Não tenhas medo de arriscar

"Havia um rei que, quando fazia prisioneiros, não os matava; levava-os para uma sala onde havia um grupo de arqueiros, num canto, e uma imensa porta de ferro, noutro, com figuras de caveiras cobertas de sangue. Dizia aos prisioneiros: - Vocês podem escolher entre morrer alvejados pelos meus arqueiros ou entrar naquela porta e ficarem lá trancados. Todos os que por ali passavam preferiam ser mortos pelos arqueiros. Um dia, um soldado perguntou ao rei: - O que há por trás daquela assustadora porta? - Vá e veja você mesmo - respondeu o rei. O soldado então abriu, vagarosamente, a porta e percebeu que, à medida que o fazia, raios de sol iam entrando e clareando o ambiente, até que, quando ela estava totalmente aberta, notou que dava acesso a um caminho que levaria à liberdade quem por ela passasse. O soldado ficou espantado, e o rei disse: - Eu dou a todos a possibilidade de escolha, mas todos preferem morrer a arriscar abrir esta porta." Rangel, A. (2006). O que podemos aprender com o…

Investigação com crianças

No outro dia a Cidália escreveu o seguinte comentário aqui no Jardim das Cores:"Também estou a fazer uma investigação com crianças, no âmbito do mestrado de educação ambiental e, também vou fazer entrevistas as crianças no Jardim de Infância mas, estou com alguma dificuldade de recolha de material bibliográfico. Será que poderia disponibilizar-me algumas informações neste sentido?"Não sendo eu uma especialista em investigação com crianças, nem em nada que se pareça, deixo como singelo contributo a bibliografia que se segue, esperando que seja útil à Cidália e a quem mais possa interessar. Alderson, P. (2005). As crianças como pesquisadoras: os efeitos dos direitos de participação sobre a metodologia de pesquisa. Educação & Sociedade 26(91), 419-442. Campinas. Disponível em: www.cedes.unicamp.br Acesso: 12/11/2005. Christensen, P.; James, A. (2005). Investigação com crianças – perspectivas práticas. Porto: Escola Superior de Educação Paula Frassinetti. Corsaro, W. (2005).

Há muito tempo que não era assim (pelo menos há umas semanas que não era assim! )

Hoje foi diferente.
O cheiro.

O pulsar.
O som de Lisboa.
Há muito que não era assim.
O cheiro a castanha assada.
As ruas cheias de gente.
O barulho dos carros.

Para breve está o regresso.
O cheiro.
O pulsar.
O som de Lamego.

E tudo continua.
O cheiro dos pinheiros.
O pulsar da ESE.
O som dos alunos e dos professores.


Sim, estou em Lisboa e quase quase de regresso a Lamego (cidade que estou a começar a adorar).